O que você acha da minha ideia de indicar algum som que curto em cada postagem do Cotidiano Cego?

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

MALDITA NOVELA DA GLOBO!

Faaaaaaaaala galera!

O título da postagem acho que deixou bem claro sobre o que vou falar
e, por mera coincidência, muito provavelmente a postagem vai ao ar
mais ou menos no mesmo horário da novela. Rs.

Pois bem. O tal cesar, era um personagem que ficou cego.

Se o cesar dele é com S ou z, pouco importa agora.

até então só tinha ouvido falar, pois novela eu não assisto.

as cenas eram grotescas.

O cara, que sabia nadar enquanto enxergava, perdeu a visão, caiu na
piscina e quase morreu afogado.

Além disso o cara não sabia quando é dia e quando é noite.

Sábado, estava me arrumando para sair, enquanto minha mãe assistia à
maldita amor à vida e destruição do cego.

Ta. O destruição do cego foi por minha conta.

O pedaço o qual assisti falava que o cidadão, pelo estado em que
estava, ou seja cego, passou uma procuração para que a esposa pudesse
resolver tudo por ele e a mesma havia transferido alguns bens para o
próprio nome.

valeu, globo!

Anos e anos de processos, de luta para que alguns órgãos não nos
reconheçam como inválidos, muitos ganhos e o que a Globo mostra na
novela? Uma procuração.

Será que não seria muito mais útil, devido à grande abrangência da
novela nesse horário, mostrar coisas simples como.... Bom. vou dar só
uma dica.

Mostrar às pessoas como ajudar um cego. Isso. O simples fato de estar
na frente dele e oferecer o braço ou o ombro para que ele segure.

Milhões de pessoas assistem e, tenho certeza: Grande parte dos nossos
problemas seriam resolvidos.

Porque não mostrar, por exemplo, que um cego tem certas dificuldades
para estudar as vezes por falta de material e por desinformação de
escolas, universidades.

Por que não mostrar, por exemplo, que o cego necessita da ajuda, com a
forma correta de fazer para atravessar uma rua devido a falta de
semáforos sonoros nas cidades que as prefeituras não instalam?

Não!


A suposta invalidez, imagem já difundida pela sociedade com relação à
nós dá muito mais audiência e tem muito mais fácil compreensão pelos
telespectadores.

O cego normal para a sociedade é o da novela.

Mas no que isso reflete na prática?

Hoje, no meu primeiro dia de trabalho de 2014 passei por algo que, em
meus 35 anos, nunca havia passado.

Uma das coisas que gosto na minha rotina de trabalho é a interação.

Aquele lance de pegar ônibus todo dia, conhecer a galera do ponto, a
galera que viaja no mesmo horário e no dia do meu aniversário até
ganhei presente de uma amiga que conheci no ônibus. Rs.

sim. Existem aqueles probleminhas que eu relatei no post Cegos No
Planeta Busão, mas existem pessoas legais.

Já bati papo no ônibus e quantas vezes.

Tanto na ida quanto na volta.

essa mesma pessoa, as vezes vai conversando e como trabalhamos perto,
descemos e fazemos juntos o trajeto. Legal.



Estou voltando para casa, após meu primeiro dia de trabalho em 2014.
É. comecei bem.

Cheguei no ponto, solicitei ajuda, ônibus praticamente vazio, o
motorista me indicou onde tinha um banco vazio e, como não encontrei
ninguém conhecido e sabia que não ia conversando, coloquei os fones no
ouvido para poder ouvir as notícias do dia, como habitual.

as vezes opto por música, mas.

Assim vim me atualizando até chegar o meu ponto.

Na parada anterior, avisei ao motorista que ficaria no próximo.

Ele nem me respondeu nada. Muitos até falam algo, agradecemos e tal.

Havia um degrau antes da porta. na verdade 2.

Ao perceber o primeiro, vinha uma pessoa tentar segurar no meu braço,
pois na concepção dela isso me ajudaria. afinal, isso a Globo não
informou na novela. Que culpa ela tem?

quem costuma fazer isso é o cotidiano cego e Geraldo Magela. Mas, quem
é o Cotidiano Cego com seus quase 200 seguidores, contra uma novela da
Globo com milhões de telespectadores?

Po. É desleal!

A princípio desviei do braço para buscar novamente com a bengala a
melhor posição de descida e, quando ela me falou do degrau, solicitei
que ela deixasse eu localizar com a bengala e descesse, sem que
segurassem no meu braço.

Já que a Globo não orienta na novela, a gente tenta.

E, a partir desse momento, fui chamado de cavalo pra baixo.

eu nunca, sinceramente, tinha passado por isso.

É normal até algumas pessoas não gostarem muito, teimarem porque
quando você quer orientar ela que está certa, mas, essa reação, eu até
então nunca tinha presenciado.

ainda tentei argumentar, pra que?

Moça! Eu só to orientando para que eu possa descer da forma que mais
me facilita.

Ela deu aquela risada sarcástica dizendo que não ajudaria mais, mas
até aí é normal e foi conversar com uma idosa e ao descer, ouvi
falando que na verdade cavalo eu não era, pois isso seria ofender o
animal.

Quando desci uma moça gentilmente me ofereceu ajuda para atravessar e
me ofereceu o braço, como deve ser.

antes que alguém diga:

Mas, você já apareceu no Mais Você e agora ta falando da Globo?

Ah sim. E só por isso agora eu tenho que concordar com tudo que a
Globo exibe, independente das consequências diárias sofridas por nós?

Aquela reportagem sim foi informativa.

E o que a novela da Globo tem com a situação de hoje?

Tudo.

afinal, um cego, que nem sabe quando é dia ou noite, que esquece como
se nada ao perder a visão e, se torna inválido mentalmente ao ponto de
passar uma procuração para alguém se responsabilizar por ele, não deve
ter sequer o direito de orientar como uma ajuda realmente será efetiva
para ele.

E se cegueira é sinônimo de invalidez, provavelmente, um cego que já
conhece o trajeto e sinaliza apenas no ponto onde vai descer, será
tratado como orgulhoso, pois precisa da ajuda, pois nem sabe quando é
dia ou noite e não pede.

Cegos hoje são encarados como pessoas que necessitam de ajuda todo o
tempo e o não necessitar, por muitas vezes, é encarado como orgulho.

E se essa é a imagem a ser reforçada, "amor À Vida" está cumprindo bem o papel.

A educação de um cego ao ponto de vista do povo é nunca questionar.

cego educado é aquele que, ou pede esmola no trem, ou fica em casa
ouvindo rádio o dia todo se contentando com o salário do Governo e
aceita passivamente ser encarado como coitado, ser tratado como e não
ter direito sequer de abrir a boca e dizer: "Por Favor. Poderia passar
na minha frente e deixar que eu segure no seu braço?"

Você, que é um dos cavalos leitores do cotidiano cego, se prepara pra
trotar muito depois do fim dessa novela.

E agora, como bom cavalo que sou, vou pedir licença a vocês para
terminar a postagem aqui, pois a fome está apertando e eu vou ali
procurar um pouco de capim.

5 comentários:

Maria Isabel disse...

André, sou sua fã e adoro seu jeito alegre de escrever. Eu aprendo e me divirto com cada postagem. rsrs
Quero te pedir permissão para compartilhar seu blog no meu Face. Gostaria que mais pessoas lessem e aprendessem com você.

Um abraço carinhoso
Maria Izabel

André Carioca disse...

Olá Maria Isabel!

Sinta-se à vontade para compartilhar no Face e onde quiser! Afinal, o blog cotidiano Cego está aí pra isso. Ser lido e compartilhado. Rs.

Inclusive te agradeço imensamente se o fizer, pois quanto mais pessoas tiverem acesso à informações verídicas, desmistificando assim a imagem que a sociedade tem sobre a pessoa cega, melhór para nós em todos os sentidos.

Portanto, quem quiser dar uma força para a pessoa cega no geral, quiser ajudar, faça como a Maria Isabel.

Divulgue o Cotidiano cego, assim como toda e qualquer iniciativa que mostre quem somos de verdade.

Aparecida das Dores Borges e Sousa disse...

Noooosssa! Falou demais, André! A novela deveria se chamar "desamor à vida", isso sim.
Mas, o que eu gostei mais foi o seu final: "cavalos leitores do cotidiano cego" foi demais! com isso, acho que podemos dar uns laços na carapuça...
abração!
PS: não conhecia seus posts, mas, agora, vou ler com mais frequência.

André Carioca disse...

Olá aparecida.

Tentei fazer uma analogia.

como fui tachado de cavalo por questionar o procedimento da suposta ajuda que tentaram me dar e, por crer que os leitores do blog são pessoas pensadoras, questionadoras e que sempre buscam conhecimentos e esclarecimentos, além de termos aqui, cegos ou não, que jamais aceitariam se render ao coitadismo, logo, teriam a mesma denominação por tais pessoas.

aí resolvi fazer a analogia do cavalo. rsrsrs.

Mas, que bom que gostou!

É sempre bom receber feedback dos leitores.

Inclusive aceito sugestões de postagens tentando esclarecer alguma dúvida ou curiosidade que tenham, ou, sei lá. Rs.

Leonardo Santiago Pimentel disse...

isso mesmo é uma novela maldita porque o autor não quis mostrar todas as dificuldades para ele continuar trabalhando, ainda mais sendo médico até mesmo porque ele podia continuar sendo médico desde que fosse psicólogo ou terapeuta ocupacional. Que mancada walcir carrasco?