O que você acha da minha ideia de indicar algum som que curto em cada postagem do Cotidiano Cego?

terça-feira, 15 de abril de 2014

ALERTA CONTRA A CAMPANHA EQUIVOCADA DE ACESSIBILIDADE DO TSE

Faaaaaaaaaaala galera!

Olha o que o TSE quer fazer conosco!

segue alerta num texto muito bem escrito pelo companheiro Naziberto
Lopes, um dos grandes lutadores pelo livro acessível.

O ENGODO DA PROPOSTA DE ACESSIBILIDADE DO TSE


"Foi veiculado nas listas de pessoas com deficiência um texto onde se
afirma que o TSE está inovando e derrubando barreiras de
acessibilidade ao informar e solicitar às pessoas com deficiência que
providenciem a transferência de suas seções eleitorais originais para
seções mais acessíveis, evitando assim constrangimentos no momento do
voto.

Infelizmente a notícia foi veiculada de maneira a fazer as pessoas com
deficiência acreditarem que devem solicitar transferência de seus
locais de votação e isso está errado. De maneira alguma a
transferência deve ser estimulada e comemorada como uma inovação em
termos de acessibilidade, muito pelo contrário!



As pessoas com deficiência devem, sim, solicitar, na verdade exigir,
que seus locais de votação originais estejam plenamente acessíveis. O
único caso justificável para a troca seria, por exemplo, se a pessoa
estivesse locada para votar em algum lugar tombado historicamente, que
inviabilizaria a transformação do local de maneira efetiva para essa
eleição. Caso contrário, não.



Apenas como ilustração, eu quando mudei de residência aqui em São
Paulo, fui transferir meu título e, como infelizmente fui morar em um
bairro próximo ao de uma conhecida fundação para cegos, o atendente do
cartório eleitoral veio com a conversinha mole de me cadastrar lá
porque era um local acessível para pessoas cegas.



Imediatamente subi nas tamancas e exigi que a urna eletrônica da minha
seção eleitoral original tivesse seu software de acessibilidade
residente ligado, isso porque todas as urnas eletrônicas são
potencialmente acessíveis, bastando para isso que os mesários acionem
o software de acessibilidade instalado nelas.



Para isso, mandei uma carta ao juiz eleitoral responsável pela minha
região e dias depois o pessoal do cartório me ligou mudando totalmente
o discurso, dizendo que iriam me chamar para testar a acessibilidade
da urna que seria instalada na minha seção no dia da votação. Bingo!



E assim foi feito. Até hoje eu voto no mesmo lugar original e nunca
tive problemas de acessibilidade nesse sentido. Claro que outras
deficiências exigem outras adaptações para o acesso, mas não podemos e
não devemos nos deixar jogar de lá para cá feito trambolhos, mas sim,
exigir que nossa seção eleitoral original seja acessibilizada e não
ficarmos pedindo transferência de um lado para outro por conveniência do
poder público.
Repito, não temos que facilitar a vida dos governantes, pelo
contrário, as políticas públicas de acessibilidade e inclusão é que
devem facilitar a vida das pessoas com deficiência!



É isso que temos que fazer, por isso a importância de informarmos que
todos devem exigir seus direitos de eleitores dignos e exigirem votar
na sua seção eleitoral original, devidamente acessibilizada, e não
compactuarmos, concordarmos ou divulgarmos esta informação que nada
mais é do que um pedido para que as pessoas com deficiência se
conformem aceitando a mudança pela falta de acessibilidade e ainda
solicitem seu remanejamento para lugares mais cômodos para os governantes
de araque que temos por aí.



Devemos lutar por nossa cidadania e não permitirmos sermos retirados
de nossos lugares e levados para outros "mais adequados", afinal,
devemos ter o mundo inteiro adequado para nós, menos que isso é
errado, não devemos aceitar, devemos nos indignar contra isso.



Caso contrário, devemos rasgar a Convenção da ONU pelos Direitos das
Pessoas com Deficiência? Pois será que ela já virou letra morta tão
cedo no Brasil?!



Essas instituições de fachada, que deveriam dar o exemplo e mobilizar
a galera, fazem justamente o contrário, informam de acordo com sua
conveniência, portanto, devem ser rechaçadas pelas pessoas que têm o
mínimo de informação sobre seus direitos de cidadãos como quaisquer
outros."



Atenciosamente,



Naziberto Lopes

segunda-feira, 14 de abril de 2014

FORTALEZA DANDO EXEMPLO QUE DEVERIA SER SEGUIDO POR TODOS.

Faaaaaaaaaaaaala galera!


Segue o grande exemplo dado pela galera cega e cadeirante de Fortaleza.

Retirada do G1.

http://m.g1.globo.com/ceara/noticia/2014/04/em-fortaleza-deficientes-participam-de-caminhada-e-reivindicam-direitos.html


Ceará
Em Fortaleza, deficientes participam de caminhada e reivindicam direitos
Evento segue até as 11h com caminhada pela Avenida Beira Mar.
Deficiente celebram conquistas e cobram melhor sinalização na cidade.
11/04/2014 10h22 - Atualizado em 11/04/2014 10h22
Pessoas com deficiência física realizaram roda de capoeira na Beira
Mar (Foto: TV Verdes Mares/Reprodução)
Do G1 CE
Os deficientes visuais e físicos de Fortaleza realizam a VI Caminhada
Louis Braille na Avenida Beira Mar, na manhã desta sexta-feira (11). O
objetivo é celebrar os direitos adquiridos e cobrar os cumprimento de
todos eles na capital cearense. O evento foi realizado pelo Sesc, em
parceria com a Associação de Cegos do Estado do Ceará (Acec) e com o
Centro de Referência em Educação e Atendimento Especializado do Estado
do Ceará (Creaece).
As atividades se iniciaram às 8h e devem seguir até as 11h. Além da
caminhada, a programação prevê show musical, debates sobre
acessibilidade em fortaleza e um momento de confraternização. O
Creaece, a Sociedade de Assistência aos Cegos, o Instituto dos Cegos,
a Biblioteca Pública,  Escola de Ensino Médio Adauto Bezerra, o
Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência e
famílias participam do evento
***
Que legal!

Até as instituições se envolveram!

E aqui?

Até quando vamos aceitar passivamente a falta de semáforos sonoros e
guias rebaixadas, até mesmo nas ruas e avenidas principais.

A AV. Paulista, não tem um semáforo sonoro sequer.

Não diferentes são Consolação, AV. Angélica, São João.... Ou seja:
Todas as principais.

Inclusive, o único semáforo sonoro que encontrei até hoje fica em
frente a uma instituição de cegos.

Rio de janeiro.

AV. Presidente Vargas, Rio Branco e todas as outras, mesma coisa.

O único semáforo sonoro que eu já encontrei também está,
"coincidentemente" em frente a uma instituição de cegos.

Pior!

Existe uma lei que nos garante a instalação de tais equipamentos não
cumprida pelas prefeituras.

Nossas instituições supostamente representativas, fazem o que com
relação a isso?

Talvez, por serem instituições de e para cegos, ninguém viu o problema
até agora.

Até quando vamos achar normal cadeirantes sem condições de adquirir
carros sendo humilhantemente carregados para entrar em ônibus?

E aí ouço uma entrevista na sexta-feira, onde um camarada dizia que a
maior parte das pessoas com deficiência, segundo pesquisas, estão nas
classes a e B.

Que pesquisas são essas?

Que direcionamento adotaram?

Impossível, já que a maior parte da população brasileira não está
nessas classes.

Se pessoas com deficiência nascem em sua maioria em famílias ricas,
então eu e 99,9% dos cegos leitores desse blog somos azarados pra
caramba então. kkkkkk.

Acho que nenhum dos cegos e cadeirantes seguidores e leitores do
Cotidiano Cego é rico.

Então, galera de São Paulo, Minas, Rio e restante do Brasil.

Ta na hora de irmos para as ruas, cobrar os direitos que não nos são
dados. Principalmente, o cumprimento dos já adquiridos.

Vamos cobrar que, o piso tátil, quando colocado em algum lugar,
principalmente em vias públicas, o seja seguindo as normas e não só
para inglês ver.

creiam. Mais de 90% desses pisos que vocês costumam ver em algumas
ruas e em metrôs estão mal instalados, dando inclusive sinalização
errada.

Na AV Liberdade, em São Paulo, tem um piso que ao seguir a
sinalização, te leva exatamente de cara para uma grade de prédio, sem
alerta.

Quem quiser, vai lá conferir.

Esse trecho está próximo à estação São Joaquim.

Esse é só um dos exemplos.


Vamos exigir que a acessibilidade, garantida por lei, seja levada à sério.

Afinal, se não me engano, nossa constituição nos assegura o direito de
ir e vir. Ou eu to errado?

Seguiremos o exemplo de fortaleza ou vamos ficar, segundo Raul Seixas
dizia "sentados no trono de um apartamento, com a boca escancarada e
cheia de dentes, esperando a morte chegar"?

FORTALEZA DANDO EXEMPLO QUE DEVERIA SER SEGUIDO POR TODOS.

--
MSN: andrecarioca2003@terra.com.br

Skype: andrecarioca2006

Gtalk: andre.carioca

Blog: http://cotidianocego.blogspot.com

Twitter: andrecarioca200

sexta-feira, 11 de abril de 2014

O LADO OCULTO DA REATECH

Faaaaaaaaala galera!

De ontem até domingo, está rolando no Centro de Exposições Imigrantes,
assim como em todos os anos, a REATECH (Feira De Reabilitação E
Tecnologia).

Trabalhei na mesma em 2007 e 2008 e, sempre com a esperança na mente,
visitei nos dois anos subsequentes para ver se algo havia mudado.

Pelo ponto de vista da pessoa cega, pude notar o seguinte:

Ponto de vista da pessoa cega?

Pode parecer irônico, né? kkkkk.

Deixo bem claro que não falo em nome de todos os cegos, mas sim sobre
as minhas impressões.

Primeiramente, ao tentar acessar a programação da feira no site, cegos
não tinham êxito, pela falta de acessibilidade.

Uma falha infelizmente comum até mesmo em prestação de serviços
online, porém inadmissível por se tratar de uma feira voltada à
pessoas com deficiência.

Chegando lá, não conseguíamos ter ideia do que tinha na feira, quais
os estandes de interesse e nos restava andar pela feira, sem ver nada
e sem saber sequer o que queríamos fazer lá.

Braille também não amenizaria o problema, pois grande parte dos cegos
não congênitos, só conhecem o sistema por ouvir falar.

As vezes se sabia de algumas empresas ou instituições lá presentes,
pela divulgação feita na Internet em outros momentos.

Depois de tantas horas na feira, ainda mais trabalhando, precisávamos
fazer as refeições.

Para isso, não podíamos contar com um lugar decente.

Pagávamos caro por produtos de péssima qualidade e uma quantidade bem
aquém do preço o qual desembolsávamos.

Deixei de frequentar.

Na edição 2014, após convite, fui acessar a programação no site e ela
continua inacessível, dando indícios de que em 7 anos, nada mudou.

Não posso opinar com relação às outras deficiências, mas penso que
nós, cegos, deveríamos deixar de sermos otários e passarmos a boicotar
a tal feira.

O fato de termos meia dúzia de estandes voltados a nós, não é sinônimo
de valorização.

Além disso, devemos parar de aceitar que as coisas para nós podem ser
feitas de qualquer jeito.

Agradeço o convite feito pela rádio web presente no evento, mas
continuarei não pondo meus pés lá, pois apesar de nunca ter me visto
no espelho, sei que não tenho cara, nem nariz de palhaço.

Mas, apesar de tudo isso, não podemos deixar de reconhecer um grande
papel desempenhado pela reatech:

Ela serve de grande vitrine para quem vende produtos caríssimos para
pessoas com deficiência, além de proporcionar, para aquelas pessoas
ligadas à causa, tendo ou não deficiência e além disso tenham
interesses políticos, uma grande oportunidade de aparecer.

Ah.

E se você tiver grana para comprar algum dos produtos lá expostos, esquece!

Cartão de crédito, pelo menos até 2010, era algo desconhecido por lá.

Agora imagina:

O camarada viaja de outra região, achou um produto interessante e não
pode comprar porque, apesar de gastar uma grana danada para ir à
feira, não pode usar o cartão lá.....

Sinceramente, esse povo é realmente sofrido.

Para finalizar, digo que se você pensa em visitar a REATECH, vá.

Não fiquei maluco......

Eu quero realmente que você vá para constatar tudo isso, para não
dizer depois que se trata de exagero da minha parte.

Agora, se chegou à conclusão que não merece passar por tudo isso, fica
em casa, abre uma gelada e curte. Vai ganhar muito mais.

quinta-feira, 10 de abril de 2014

PROBLEMA COM A CLARO TV, OU COMIGO?

Faaaaaaaaala galera!

Tudo começa na quarta-feira passada.

Flamengo e Emelec no Equador.

Ligo a TV e nada.

Pensei que a tv poderia ter saído do canal por conta de algum esbarrão
no controle durante a limpeza.

Nisso, acabei indo para a Internet ouvir o jogo.

Acessei à Rádio Nacional, para curtir a narração de Carlos Borges e
fiquei surpreso ao notar que Waldir Luiz, repórter de campo quando eu
era criança, ainda atua no rádio como comentarista.

Atualmente ele deve estar com uns 250 anos. kkkk.

Fui dormir depois da vitória dramática contra o Emelec.

Minha TV, no dia seguinte, nada.

Chegou domingo.

Por não ter ainda encontrado quem pudesse ver para mim o que aparecia
natela e, Após desligar o decoder da tomada, ligar, tirar o cartão,
recolocar e nada feito, resolvi ligar para a Claro TV a fim de agendar
uma visita técnica.

Eis que vem a pergunta da atendente:

Qual o código que aparece na tela de sua TV? kkkkkkk.

Expliquei a situação.

Não sei. Sou cego e moro sozinho. Não sei qual é o código.

Como assim, senhor? Não aparece nada na tela?

Gente. será que ela é loira? kkkkk.

Expliquei novamente.

Depois de 3 minutos esperando na linha, ela diz:

Senhor.

Como o senhor não enxerga e não está vendo o código em sua tela, não
posso agendar a visita......

Como assim?

Precisa que alguém vá aí e o SR. retorne a ligação.

Depois de xingar a claro TV até não aguentar mais, desliguei, sabendo
que perderia a corrida.

Afinal, a corrida eu sabia já que ia perder. Não mandariam um técnico
lá no mesmo dia.

Então, liguei para um vizinho, pois um de nossos vizinhos em comum,
além de enxergar, trabalha com ele e eu perguntei se ele poderia ir lá
ver a porra do código pra mim.

Peguei trânsito, o cara bateu lá e eu não estava e ele perguntou se
poderia passar lá pra ver depois das 9 da noite.

Cheguei em casa.

Aí me veio algo na cabeça.

Será que o controle está ruim?

Qual dos dois seria?

Depois de me certificar que tanto o decoder como a TV estavam ligados,
resolvi ir pra perto de ambos e operar de lá.

Eis que ao ligar, começo a ouvir um som baixinho ao colar o ouvido na TV.

Gente...... Sim..... Era isso..... O volume da TV estava zerado!

kkkkkkkkkkkkk. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

Mandei um torpedo agradecendo e avisando a ele que o problema já
estava resolvido e não precisava se preocupar.......

Kkkkkkkkkk.

Com isso, minha TV já estava prontinha para que ontem eu pudesse
assistir Flamengo e Leon do México.

Sem comentários adicionais sobre o jogo, ta?

quinta-feira, 20 de março de 2014

É DESSE TIPO DE POLÍTICOS QUE ESTAMOS CERCADOS

Faaaaaaaaaaaaala galera!

Como esperar uma sociedade realmente inclusiva, dignidade e respeito,
quando, os políticos que dizem nos representar, são os primeiros a nos
vitimizar?

É a pergunta que me faço ao ler um trecho de uma reportagem publicada
no jornal O Globo, onde Romário ataca Ronaldo em carta aberta.

O link para ela é:

http://oglobo.globo.com/esportes/em-carta-aberta-romario-critica-ronaldo-cobra-compromisso-assumido-11935102

Após o link, copio um trecho o qual achei conveniente destacar.

"Ronaldo, é o seguinte, te respeito como ídolo, como boa parte do povo
brasileiro. Suas conquistas são inegáveis, fruto de muito trabalho,
superação e bastante suor. Assim como as minhas. Mas como cidadãos
brasileiros, especificamente em relação à Copa do Mundo, estamos em
lados opostos. Em dia 23 de dezembro de 2011, o COL convocou a
imprensa e, ao meu lado e de mais quatro deputados federais da Frente
Parlamentar em Defesa da Pessoa com Deficiência - Mara Gabrilli,
Rosinha da Adefal, Luiz Henrique Mandetta, Otávio Leite -, você
anunciou a doação de 32 mil ingressos para este segmento da sociedade.
O que você disse no evento está registrado: "O Romário não tem que
agradecer nada. Somos nós é que temos que agradecê-lo por nos
apresentar um projeto desses e nos dar a oportunidade de fazer uma
Copa melhor". Somente essas palavras, já o responsabilizam junto com
presidente da CBF por esta doação. É muito negativo você vir a público
agora afirmar que não tem responsabilidade sobre este tema. O
descumprimento desta dívida não afeta a mim, nem aos outros deputados,
mas certamente tira a oportunidade de milhares de pessoas que vivem à
margem da sociedade - tanto por preconceito, como por pobreza - de
realizar um sonho."

Será que isso merece algum comentário?

sinceramente, já estou de saco cheio. Não fiz um cálculo matemático
preciso, mas pelo menos em 20% das minhas postagens, acabo sendo
repetitivo em bater na mesma tecla.

Acho lamentável termos no Brasil um evento futebolístico com a
grandeza de uma copa do mundo e, nossa população, que pagou com o seu
suor os gastos do mesmo, não ter acesso sequer a uma partida, a não
ser pela TV.

Ao lembrarmos que o Futebol é uma paixão nacional, certamente nosso
povo se torna mais injustiçado com a situação.

Infelizmente, nem Ronaldo, nem Romário, cogitaram em nenhum momento,
doação de ingressos para a população carente do nosso país.

vou até mais além.

Eu, apesar de ter um trabalho e não estar à beira da miséria, também
não terei condições de assistir a uma partida sequer.

Por que será?

Lógico.

Vitimizar as pessoas com deficiência tratando-as como coitadas e doar
algo, faz a imagem da caridade ficar muito maior.

Romário, ao rebater Ronaldo com esse texto, deixou bem claro o que
pensa sobre nós.

Vou repetir o trecho mais uma vez, para que não haja dúvidas:

"O descumprimento desta dívida não afeta a mim, nem aos outros
deputados, mas certamente tira a oportunidade de milhares de pessoas
que vivem à margem da sociedade - tanto por preconceito, como por
pobreza - de realizar um sonho."

Ta na cara que seu pensamento é:

"coitados!

sofrem preconceito, ou então são pobres!

então, nada mais justo que doar ingressos para que pelo menos alguns
coitados possam assistir a algum jogo da copa."

Ele foi bem claro. Não existe outra interpretação plausível ao texto escrito.

estou defendendo Ronaldo e a organização da copa?

De jeito nenhum.

a partir do momento em que houve tal promessa, também quiseram dar de
bonzinhos usando o nosso nome, nos colocando, pra variar só um
pouquinho, na condição de vítimas.

Estando bem claro o que pensa sobre nós, não só Romário como grande
parte dos que dizem nos representar, cabe a você decidir o que fazer
nas eleições futuras.

se está no grupo acostumado com vitimização, acha uma excelente
técnica para adquirir vantagens, parabéns!

Tem representantes a altura.

senão, vamos continuar matando um leão por dia, porque é cada um por
si e Deus por todos, somente.

e o pior!

O lado de lá ainda nos critica por lutarmos individualmente, sem
pensarmos no coletivo.

Então, escutem aqui.

Se vocês tem o direito de preferir a vitimização, nos deixe ao menos
seguir nosso caminho. Aliás, ele fica até mais tortuoso por não haver
a união e pelo mundo conspirar, tentando nos mostrar a qualquer custo
que a vitimização seria o caminho normal.

Se o lado é oposto e a dignidade não é almejada por todos, então,
"cada um No Seu quadrado."

sexta-feira, 14 de março de 2014

A QUE ESPÉCIE PERTENCEMOS?

Faaaaaaaaala galera!

Pra começar, sexta-feira e vou indicar um som que gosto muito e está
bem no clima.

http://www.youtube.com/watch?v=8LhCd1W2V0Q

Já falei aqui sobre um hábito que algumas pessoas tem de infantilizar os cegos.

Alguns casos transcendem a infantilização.

Desde um certo tempo, aprendemos:

"Os humanos são animais racionais."

Certo dia, a fim de zuar o barraco, algum engraçadinho deve ter
escrito em algum lugar:

"Exceto os cegos."

Provavelmente, o conhecimento milenar passou de geração em geração e
até hoje encontramos seguidores dessa ideia.

Vira e mexe, ao andarmos na rua, algum cidadão vem gentilmente nos
informar onde estamos.

é. muito provavelmente esses nos enxergam como cães vira-lata. Afinal,
esses normalmente não sabem onde estão. Andam apenas atrás de comida e
pronto.

Pior que no meu caso, o tamanho da minha barriga deve fazer jus a
isso.... Nossa!

Mas, como até hoje ninguém me ofereceu um punhado de ração, talvez a
espécie não seja essa.

Algumas pessoas, ao auxiliar, tem medo de andar e caminham como se
tivessem algum problema com as pernas.

Para essas, cegos as fazem lembrar automaticamente de tartaruga.

Existem também aquelas que se desesperam e procuram nos segurar na
hora de descer degraus. As vezes, nos seguram tão forte... Acho que é
pra gente não fugir.

Mas pera aí! Não conseguir descer degrau....... até agora eu achava
que Saci Pererê era lenda. Mas não! São os cegos!

Na condução, as pessoas correm:

Senta aqui....... Aliás é uma das frases mais perigosas que eu já
ouvi.... Sei lá.... Ficar sentando em qualquer lugar.

Realmente:

Os cães ficam de pé apenas para fazer graça e logo depois precisam
sentar, ou ficar de 4.

Mas, quem sabe o senta aqui não faça algumas pessoas terem a sensação
de estarem adestrando um cachorro.

Vai.... Senta..... agora deita.... vai lá...... Vai buscar a bolinha.....

Bom. aí complica um pouco....... É preciso ver a bolinha.

E aí, eu sento num banquinho..... Estão vendo gente? Sou bem adestrado!

Passa um tempo alguém toca no meu ombro.

Tirei os fones do ouvido e ela alertou que o motorista estava tentando
falar comigo.

Por um lado, é interessante a preocupação e a boa vontade em ajudar,
perguntando onde eu desceria.

Em seguida, vem o sermão por estar usando fones em volume alto.

Me respondam?

Quantas pessoas, principalmente nas cidades grandes, embarcam na
condução com fones no ouvido?

Será que esse motorista aborda todos os seus passageiros com fone para
avisar que vão ficar surdos?

Certamente não.

Nesse caso, cada um sabe de si. São adultos.

Ué, mas e no meu caso?

Teoricamente também. Mas, na visão de grande parte das pessoas, não.

Afinal de contas, sou adulto, uso meus fones da forma que me der na
telha e se futuramente vierem as consequências decorrentes da minha
atitude presente, o problema é meu.

Ou seja: a mesma regra aplicada aos demais deveria ser a mim.

Mas, como para algumas pessoas a racionalidade não nos pertence....

Wasabi no sushi bar.

Peço um temaki.

Veio o wasabi no cantinho do prato.

Experimento pra ver o quão forte está.

Afinal, eu costumo caprichar no wasabi e, nos pratos onde a pimenta se
encaixa, também.

E vou, a cada mordida no temaki, calibrando no wasabi.

Até que um garçom vê e fala:

Meu! Aí é muito wasabi!

Juro que não consegui entender porque ele se interessou mais em olhar
a quantidade de wasabi que eu como, do que servir. Mas, em fim....

Aí me veio uma dúvida.:

Não tinha noção do wasabi, o cara ficou olhando...... Ora, ora....

Será que quando eu fui no banheiro ele também ficou olhando para saber
se o tamanho era adequado para que ele pudesse verificar se estava
correto me enxergar como jumento? kkkkk.

Mas, por outro lado, a irracionalidade não está só do lado de cá?

O que dizer das pessoas, quando você pede:

"Poderia soltar o meu braço para que eu desça o degrau?" E elas
continuam segurando?

Ou, se você leva um tombo:

"Por favor! Me solta para que eu possa levantar." E a pessoa, o que
faz? continua segurando.

3 Possibilidades:

Ou a quantidade de surdos no país é maior do que pensamos, ou as
pessoas não conseguem processar a mensagem.

Tem ainda a terceira:

Essa, é pensarem:

Ele não sabe o que diz.

Até entendo a falta de informação.

Sabendo que as pessoas querem ajudar, engolimos a seco algumas coisas.

Cada pedido de lugar feito pelas pessoas quando entro no ônibus, cada
puxão pelo braço e atitudes semelhantes, são guardadas num canto, por
ver aquela famosa realidade:

"Ele (a) só quis ajudar!"

Não é segredo pra ninguém! Tudo que guardamos, vai virando uma bola de neve.

E quando essa bola está prestes a estourar?

Bom. Eu já pensei numa saída.

Criar alguns vudus em casa e espancar um deles quando chegar. kkkkkk.


O problema é:

Não vi a fisionomia de nenhum protagonista de tais ações. kkkkk.

Quando é alguém da sua convivência, ou que tenha certo contato, ainda
dá para tentar falar com ela sobre a atitude que te irrita
profundamente.

Pior é quando isso gera uma discussão sem fim pelo fato dela achar
estar certa. rs.

Mas, em fim...

Ta me dando fome.

Mas, como até agora ainda não descobri a qual espécie pertenço, que
ração eu compro?