O que você acha da minha ideia de indicar algum som que curto em cada postagem do Cotidiano Cego?

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

PRA VOCÊ, O QUE É SER CEGO?

Faaaaaaaaaaaaala galera!

A pergunta do título pode parecer absurda, mas não é.

Infelizmente, como já disse em alguns outros posts, muitas pessoas não tem noção de que ser cego é apenas não enxergar.

Talvez por desinformação, ou sei lá.

Isso acaba nos afetando em vários sentidos.

O primeiro ponto muito comum é de que cego sempre mora com alguém.

Em alguns casos, pode ser verdade. Em outros, como o meu por exemplo, não.

De certo que muitos partem desse pressuposto, que por várias vezes na condução já entregaram papéis na minha mão....

Bom. Minha atitude é sempre a mesma... Sim, eu sei que é uma atitude bastante antipática, mas rasgo o papel na hora.

As pessoas entregam imaginando que você não vai ler, mas alguém lerá para você.

Bom. Tenha santa paciência!

Eu nem perco meu tempo lendo.

Primeiro, porque nem as contas que eu tenho de pagar chegam em papel mais. Começando por aí..... rs.

Hoje em dia todas as empresas te dão essa opção e lógico, é minha escolha.

Contas por e-mail, ou para conferência no site, em fim.
claro. Não vamos entender com isso, que nenhum cego ainda siga aquele sistema antigo de pedir para que alguém leia as contas. Lógico que ainda vão existir, mesmo porque, dependendo do local do Brasil e das condições, existem pessoas não incluídas digitalmente, quer por falta de acesso a um computador, quer por falta de interesse em aprender, em fim. E isso não se deve só aos cegos.

Tá. Então o cego não é aquele que precisa que leiam as coisas e também não é aquele que faz tudo online e por isso precisa? Exatamente.....

Mas voltando aos papéis. Nem peço para ler por esse primeiro motivo e, segundo, porque normalmente não é nada interessante e, das vezes que ainda tive a curiosidade de solicitar leitura, era endereço de alguma Igreja Evangélica, à qual certamente não fui, nem irei.

Nada contra Evangélico. não é isso.

até porque, criado no Espiritismo, aprendi que não devemos ter nenhum tipo de preconceito, inclusive com religião.

A questão é que, normalmente o cidadão que nos entrega esse tipo de papel é aquele ignorante, onde em sua cabeça cego deverá ir em sua Igreja para ser curado.

Primeiro. Ninguém explicou ao indivíduo que cegueira não é doença.

Segundo: Não pensa o suficiente para saber que em alguns casos, dar a visão a um cego é até pior do que tirar a visão de um cara que sempre enxergou.

Principalmente se o cidadão já nasceu cego. Se houver curiosidade explico porquê.

Então, eu só diria pra esse tipo de pessoa:

Abra sua cabeça!

chiii. Acho que não é uma boa idéia..... Só vai sair merda. kkkkk.

Então, nada contra a doutrina Evangélica em si. Tenho amigos Evangélicos inclusive. Mas os amigos que tenho, não são ignorantes e preconceituosos como esse tipo de pessoa e pior.... Esse preconceito é alimentado nas pregações, quando se faz cego ver, manco andar e tal.... bom...

Mas a postagem não está aqui para falar em religiao e sim sobre
o fato de ser entregue o papel, com o pressuposto de que alguém lerá, pois esse cego invariavelmente não mora sozinho.

Ontem uma amiga contava que foi a uma agência bancária....quem se arrisca a dizer de qual banco? kkkkkkkk. Tinha que ser....... rs.

É. só que agora não é culpa dele, por incrível que pareça.

A gerente cismou que essa minha amiga, cega, deveria ter uma chave de segurança, certamente por desconhecer que os cegos correntistas desse banco, que nem sob tortura direi que é o Itaú, são isentos dessa medida por um motivo óbvio:

Não conseguirem ler o que vai aparecer no token! Será que não é motivo suficiente? kkkkkk.

E essa gerente, com toda desinformação dizendo que isso é uma questão de segurança... agora olha a contradição.

Ela falou em segurança para transações via telefone e online e depois completa dizendo assim:

"mas ninguém poderia ler pra você?

Pera aí.... To percebendo que você é casada.... Não acredito que ninguém pode ler pra você? Vizinho, irmão....."

Gente. agora vou soltar aquele grito do fundo do coração:

"Puta que pariu!"

Será que essa pessoa além de desinformada é burra?

ela vem falar em segurança e depois sugere que a cega peça pra um vizinho ou alguém ajudar nas operações bancárias.... Nossa! Que segurança!

Afinal né? Ninguém jamais pegaria a senha sem ela ver, ninguém sacaria o dinheiro dela pegando o cartão sem que ela percebêsse, né?

Falou..... Ela é realmente especialista em segurança.... afff.

Não estou dizendo que cego não deva confiar em ninguém, não é isso.

Mas operação bancária deve ser uma coisa autônoma, né?

Segurança.... Essa é boa....

Pra mim segurança é desligar a tela de um PC e eu mesmo fazer a operação necessária.

é, se precisar utilizar um caixa eletrônico, a tela se apagar para que ninguém veja o que estou fazendo e poder operá-lo e isso, graças a Deus o Itaú faz com precisão.

Agora, já o treinamento das pessoas que lá trabalham....

Agora o mais questionável não é a forma com que a pessoa foi ou deixou de ser treinada.

É a forma com que a tal gerente, tentou solucionar o problema da minha amiga cega.

a solução dada foi: alguém faz pra você. E o pior que é um tipo de solução sugerida de forma corriqueira em vários aspectos.

Jamais passou pela cabeça dessa pessoa como não passa, que ela pode ser casada, mas o marido também ser cego. E aí?

É uma situação comum inclusive.

Certa vez, fiquei doente e, como com mais de uma semana a suposta gripe não passava, fui ao médico.

Aliás, não era gripe como a doutora daqui diagnosticou. Era dengue e ela quase me mata. Rs.

Atenção médicos cariocas!

Poderiam vir aqui em São paulo ensinar aos seus colegas como diagnosticar dengue? Eles não sabem! Precisam de aula! rsrsrs.

depois da nossa seção "Tira Sarro de Paulista", voltamos ao post.

A referida médica me entrega a receita médica e diz: só tomar esses dois remédios....... Pera aí doutora.... como eu tomo isso? De quantas em quantas horas?

eu juro que já pensava numa resposta, se ela me respondesse: está escrito na bula.... Juro que eu responderia. kkkkkkkkkkk.

Olha...... está na bula.... putz..... mas um é de 8 em 8 horas, e outro de 12 em 12 horas.... rsrsrsrsrsrs. Bom. dei um desconto porque ela complementou com a informação que eu precisava.

então...... Mas doutora? como são esses remédios? São comprimidos? Sim, são.

Eles tem formatos diferentes? Se sim, qual eu tenho que tomar de 12 em 12 e qual de 8 em 8.

Aí ela responde com a pergunta:

você mora sozinho?

puuuuuuuuuutz! Parabéééééns! Ela chegou a essa conclusão sozinha! Ou será que ela fez sinal e alguém ajudou ela a pensar? Eu não vi. rsrsrsrs.

Sei lá né? Depois de ela ter diagnosticado dengue como gripe e eu só descobrir posteriormente, tudo é possível. rs.

Sim, moro.... Ah tá... O compridinho você toma de 12 em 12 horas e o redondinho, de 8 em 8.

Aí pensei né?

será que vou me dar bem com comprimidos minúsculos? Já existe mini comprimido?

sei lá né? Tudo no diminutivo... Redondinho, compridinho.... kkkkkkkkk.

Agora uma coisa me espanta:

Um médico não deveria conhecer sobre todos os sentidos?

O que acontece?

As faculdades de medicina estão tirando do currículo, ou tem muito médico que mata essa aula e depois se forma sem saber?

Algum profissional da Saúde aqui para responder?

Aliás, fico imaginando essa doutora atendendo algum paciente surdo. Putz..... coitado! kkkkkk.

Sim. O surdo também pode ser que more sozinho e, ao se sentir mal dependendo da urgência, vá ao médico desacompanhado. E aí? rsrsrs.

Dentro de um ônibus:

Um cego que faz determinado trajeto com certa frequência, não necessitará que alguém o avise quando chega o ponto onde vai decer.

Outros, por não conhecerem aquele trajeto, ou por alguma diviculdade, vão precisar.

Onde eu quero chegar com tudo isso?

devemos separar o fato de ser cego das situações de cada pessoa, assim como também das suas necessidades.

Agora, faça a si mesmo a seguinte pergunta:

"Pra você, o que é ser cego?"

Agora, pense e tente responder, guardando para si ou não a resposta. A escolha é sua... Mas, responda. rsrsrs.

3 comentários:

Emilee Mickely disse...

Amei esse seu post. Gostei muito, muito mesmo. Que legal. Na verdade achei desnecessário falar o nome do banco kkkk. Essa semana vou testar o auto atendimento o Banco do Brasil, quero que um amigo meu aprenda a usar o fone no auto atendimento. Um dia se puder fale de como foi ir morar sozinho, o que seus pais acharam, amigos. Abraços!

Helena Bertho Dias disse...

Oi André.

Sou repórter da revista Sou Mais Eu da Editora Abril e queria falar com você para uma matéria. Por favor, entre em contato!
Obrigada!
Beijo

Helena Bertho Dias disse...

Ops: meus contatos: helenaberthodias@gmail.com ou helena.dias@abril.com.br